Após 4 casos de suicídio, USP cria escritório de saúde mental
DATA: quarta-feira, 1 de agosto de 2018
AUTOR: Catraca Livre
FONTE: Catraca Livre
Compartilhe: Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+

Quarta causa de morte entre jovens no Brasil, o suicídio aumentou 73% entre 2000 e 2016: de 6.780 para 11.736 mortes. Apenas neste este ano, entre maio e junho, ao menos quatro casos foram registrados na USP. Cenário que levou à criação do Escritório de Saúde Mental na universidade paulista.

[Opinião: O suicídio e a controvérsia do diagnóstico de "depressão ]

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Andrés Eduardo Aguirre Antúnez, vice-diretor do Instituto de Psicologia e coordenador do programa, explicou que todos os estudantes da universidade terão acesso ao atendimento. Para isso, será necessário um primeiro contato que, eventualmente, pode resultar numa reunião presencial.

As discussões sobre a criação da iniciativa tiveram início em setembro de 2017 – motivada pelos casos de suicídio ocorridos naquele ano. Inicialmente, um espaço provisório será instalado na Superintendência de Assistência Social na USP.

Além do escritório, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, uma série de atividades sobre o tema foram articuladas nos últimos meses. Para setembro, estão agendadas inúmeras palestras a respeito do assunto.

[Tema confirmado do I CBPO: "Dimensionando a importância do trabalho na multicausalidade do suicídio". Veja programação completa e inscreva-se.]

Os estudantes apontam uma série de motivos que podem desencadear a depressão no âmbito universitário: carga horária, pressão por notas, relação com colegas e professores estão entre os mais relatados.

Questionada pela reportagem, e estudante Luiza Burgarelli destacou a importância do debate sobre saúde mental e o apoio aos estudantes. “É muito sério quando os alunos adoecem e têm que ir para casa porque, dentro da universidade, não existe espaço, apoio ou algo que os estimulem a ficar ali”, afirma.