Após suicídio de 60 funcionários, empresa francesa é processada por assédio moral
DATA: quarta-feira, 9 de maio de 2018
AUTOR: RFI
FONTE: SaudeOcupacional.org
Compartilhe: Share on Facebook Tweet about this on Twitter Share on Google+

Depois de sete anos de investigação sobre uma onda de suicídios na empresa de telefonia France Télécom, a Justiça francesa solicitou a abertura de um processo por “assédio moral” contra o grupo e seu ex-presidente, Didier Lombard.Entre 2006 e 2009, 60 empregados se mataram, depois do anúncio de um plano de reestruturação da sociedade.

[Tema confirmado do I CBPO: "Dimensionando a importância do trabalho na multicausalidade do suicídio". Veja programação completa e inscreva-se.]

Tudo começou em uma reunião dos altos funcionários da France Télécom, hoje Orange, realizada no dia 20 de outubro de 2006. O encontro deveria ser uma operação para “motivação” das equipes, estratégia comum em grandes empresas.

Entre os objetivos do presidente da sociedade na época, Didier Lombard, estavam as demissões de 22 mil empregados. Outros 14 mil deveriam mudar de cargo. A decisão foi baseada no endividamento da empresa. A conta da France Télécom na época se aproximava de € 50 bilhões.

“Essas pessoas sairão da empresa de qualquer jeito, pela porta ou pela janela”, teria dito diante do diretor de recursos humanos da France Télécom, Olivier Barberot.

As consequências dos dois programas colocados em prática foram dramáticas. No total, 60 pessoas se suicidaram em três anos, 35 apenas entre 2008 e 2009. Uma gestão denunciada pelos sindicatos franceses como “uma brutalidade extraordinária”. No entanto, para Lombard, a onda de mortes sob sua gestão não passou de uma “moda”, uma declaração que o obrigou a renunciar.

Clima de ansiedade para “desestabilizar funcionários”

Durante quatro anos, a Justiça de Paris analisou milhares de e-mails, apresentações PowerPoint, interrogou dezenas de empregados e altos funcionários. A conclusão do relatório é de que “incidentes frequentes”, com o objetivo de “desestabilizar os funcionários”, criaram um “clima profissional de ansiedade” para acelerar os pedidos de demissão.

[Tema confirmado do I CBPO: "Burnout x Depressão: diferenças no diagnóstico, tratamento e prognóstico". Veja programação completa e inscreva-se.]

No final do documento de 193 páginas, a conclusão é categórica: “sete ex-dirigentes da France Télécom devem ser processados”.

No requerimento, a promotoria também pede um processo por assédio moral para outros dois executivos: Barberot e o ex-número dois da empresa, Louis-Pierre Wenes. Outros quatro executivos são acusados de cumplicidade.

FONTE: RFI